13 Setembro 2019 - 10:09

Mundo perdeu 26 mi de hectares de árvores por ano entre 2014 e 2018

Divulgação
Meio ambiente: o mundo perdeu uma área do tamanho do Reino Unido por ano entre 2014 a 2018

Barcelona – Atingir uma meta histórica de reduzir pelo menos à metade as perdas de florestas até 2020 provavelmente será “impossível”, uma vez que o desmatamento disparou nos cinco anos desde que o objetivo foi estabelecido, alertou um relatório nesta quinta-feira.

A Declaração de Nova York sobre Florestas, criada em 2014, reuniu mais de 200 assinaturas entre diferentes países, empresas e grupos defensores do meio ambiente, incluindo os governos da Colômbia, da Noruega e dos Estados Unidos, além dos gigantes McDonald’s e Walmart.

No entanto, o mundo perdeu mais de 26 milhões de hectares de árvores uma área do tamanho do Reino Unido por ano no período de 2014 a 2018.

Isso representa um salto de 43% no índice global de perdas florestais se comparado com o período de 2011 a 2013, informou o relatório emitido nesta quinta-feira antes de uma cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima, prevista para 23 de setembro.

As florestas tropicais representaram cerca de 90% do desmatamento global entre 2001 e 2015, acrescentou o relatório, dado ocasionado em grande parte pelo desmatamento provocado pela produção agropecuária, como carne, soja e óleo de palma.

A situação das florestas tropicais ganhou destaque na agenda global nas últimas semanas, com os incêndios na Amazônia e na Bacia do Congo e um relatório de ciência climática da ONU apoiando a proteção florestal como um pilar essencial para conter o aquecimento global.

O carbono armazenado pelas florestas retém calor, o que faz com que elas tenham papel essencial na produção de chuvas e no resfriamento de climas locais. Quando as árvores são queimadas ou derrubadas, as emissões liberadas estimulam o aumento da temperatura, aumentando a ameaça às florestas.

“O mundo está pegando fogo… A vulnerabilidade das florestas se tornou óbvia”, disse Charlotte Streck, cofundadora e diretora do Climate Focus, um centro de estudos que liderou o relatório.

O documento também avaliou outras metas, revelando que menos de um quinto da promessa de restaurar 150 milhões de hectares de terras degradadas até 2020 foi alcançado nas últimas duas décadas.

Além disso, os dados mostraram que nenhuma das 350 empresas mais influentes cujas operações afetam as florestas estava a caminho de cumprir os compromissos de, até 2020, livrar suas cadeias de produção do desmatamento.

por Revista Exame

Comentários comentar agora ❯