18 Junho 2019 - 09:55

Milton Gonçalves e outros dois atores processam Paulo Betti por racismo

Divulgação
Milton Gonçalves e Paulo Betti

O ator Milton Gonçalves - junto com os atores Jorge Coutinho e Cosme dos Santos - está processando o também ator Paulo Betti por racismo. Segundo o ator, o crime aconteceu em um comentário feito por Paulo em um grupo do WhatsApp durante a disputa pela presidência do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro, em que ambos concorrem em chapas distintas.

No print, Betti enviou, no dia 16 de abril deste ano, a seguinte mensagem no grupo 'Profissão Artistas': "A atual diretoria do sindicato está lá há muito tempo e tem uma forte representação negra com Jorge Coutinho e o grande Milton Gonçalves, além do querido Cosme, isso complica bastante a luta, pois pode confundir as coisas. Daí a importância de conversarmos".

O caso já corre na Justiça e, de acordo com determinação do juiz Daniel Werneck Cotta, Paulo Betti terá até 15 dias para apresentar sua defesa e, caso seja condenado, a pena pode variar de um a três anos de prisão mais multa.

O PROCESSO

QUEM teve acesso aos autos do processo, em que o advogado de Milton Gonçalves, Clóvis Manzolli Junior, defende que a mensagem de Paulo Betti possui "ambiguidade e dubiedade quanto à raça e a cor de seus clientes, na medida em que eles se sentiram ofendidos em suas honras".

Segundo os autos, Milton e Jorge Coutinho querem que Paulo Betti explique - em juízo - suas declarações e responda três perguntas: "Que complicador seria esse levantado por Betti diante do fato de Milton e Jorge terem forte representação negra?; O que poderia confundir as coisas? Que coisas seriam essas?; e Que luta seria essa?"

Desse modo, Milton e Jorge pedem "explicações em juízo", com fundamento no art. 144 do Código Penal, ou "retratação" de Paulo Betti, nos termos do art. 143 do mesmo código. "Embora não reste dúvidas quanto à hostilidade das palavras prolatadas por Betti, há real possibilidade de se aferir a prática do crime de injúria preconceituosa, dependendo do que declarar o interpelado", afirma a petição inicial.

Procurado por QUEM, Milton Gonçalves confirmou que está processando Betti e afirmou que fará uso da lei. "Vivo num país em que mais de 50% da população é de negros, parentes e afins. Não sei como falar, é uma dor no coração muito grande. Estou com o Jorge Coutinho, presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro, e o Cosme dos Santos. Não tenho mais paciência para discutir raças. Não quero saber disso, quero que todos sejam seres humanos, todos iguais", disse.

Jorge Coutinho também conversou com QUEM sobre o porquê do processo. "O Paulo Betti publicou que 'complicaria bastante' disputar eleições no Sindicato, já que os negros estavam lá há muito tempo. Não entendi por que 'complicaria bastante' disputar um sindicato tendo a presença de negros. O negro atrapalha em quê? Nisso que o Paulo está sendo questionado. O que eu quero – não quero um tostão -, é que que ele se desculpe para 55% da população do país. Estou falando em nome desses que todo dia morrem nas comunidades e não têm o direito de falar", afirmou.

Procurado por QUEM, a advogada de Paulo Betti, Jéssica Caliman, afirmou que "ele irá se manifestar nos autos da interpelação".

A eleição da presidência do Sindicato dos Artistas acontecerá nos dias 29 e 30 de junho e 1º de julho. Na Chapa 1 (União e Determinação) estão Milton Gonçalves, Hugo Gross, Ruth de Souza e Carlos Vereza, entre outros. Já na Chapa 2 (Renovação e Transparência), ao lado de Paulo Betti estão Tonico Pereira, Cristina Pereira, Júlia Lemmertz e Zezé Polessa, entre outros.

por Revista Quem

Comentários comentar agora ❯