15 Março 2019 - 08:07

Acusado de torturar e matar ex-mulher em Coruripe é condenado a quase 18 anos de prisão

Ascom/MPE-AL
Alberdan se mostrou frio durante todo o julgamento

Prestes a completar 2 anos do assassinato de Maria Jaciara Ferreira dos Santos, que foi torturada, teve braços quebrados e o pescoço cortado, o acusado pelo crime, Alberdan de Souza Ferreira, foi julgado nesta quinta-feira, 14 de março, no Fórum de Coruripe.

Em seu depoimento, o réu confessou o crime, mas entrou em muitas contradições, além de tentar impressionar os jurados com choro e pedidos de perdão. Alberdan ainda tentou convencer de que a vítima teria morrido porque, num tropeço, ele caiu sobre ela.

Para o Ministério Público, o interrogatório foi fantasioso e desprovido de qualquer amparo dentro dos autos. O promotor José Antônio Malta Marques ressaltou o comportamento do réu.

“A ousadia do réu reforça a visão do Ministério Público a respeito da sua estupidez e a crueldade com a qual Jaciara foi morta. Estivemos aqui, não somente defendendo Jaciara, mas todas as mulheres honradas de Coruripe e de Alagoas. Jaciara foi morta a primeira vez com o ‘mata leão’, a segunda com o esgorjamento e hoje tentaram matá-la pela terceira vez, mas o Ministério Público não deixou que isso ocorresse e o conselho de sentença fez justiça”, afirma o promotor.

Após ouvirem as testemunhas e os debates entre o MP e a defesa do acusado, o Conselho de Sentença, em sua maioria, votou pela condenação de Alberdan pela prática de homicídio triplamente qualificado pelo emprego de meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e feminicídio.

Após a votação, o magistrado Mauro Baldini proferiu a sentença condenatória, estipulando pena de 17 anos e dez meses de prisão, devendo o acusado iniciar seu cumprimento em regime fechado.

Apesar da condenação, os promotores de Justiça Hylza Paiva e José Antônio Malta Marques anunciaram que irão recorrer. De acordo com os representantes ministeriais, diante da crueldade a pena pode ser considerada ainda branda.
 

por Redação

Comentários comentar agora ❯