14 Agosto 2020 - 09:28

Juiz de Penedo alerta sobre os tipos de violência doméstica contra a mulher

Assessoria
Juiz Nelson Fernando faz apelo para sociedade denunciar casos de violência doméstica contra a mulher

''Engana-se quem pensa que violência doméstica e familiar contra a mulher se restringe a agressões físicas como espancamentos, ferimentos e queimaduras'', explica o juiz Nelson Fernando, da 4ª Vara da Comarca de Penedo. Neste Agosto Lilás, magistrados do Poder Judiciário alagoano alertam a sociedade sobre os tipos de violência e sobre a necessidade de denunciar os agressores.

''Além das lesões corporais, mulheres têm sido vítimas de violência psicológica, moral, sexual, laboral e até patrimonial. Por exemplo, xingar, humilhar, restringir a liberdade, a comunicação, insinuar deficiência mental, expor a vida íntima, destruir documentos pessoais, entre outras atitudes, podem ser consideradas crimes'', informou o magistrado.

De acordo com o juiz Nelson Fernando, as formas de violência contra a mulher são incontáveis e precisam ser combatidas. ''Ameaçar tirar a guarda dos filhos, não pagar pensão alimentícia, privar a mulher de seus bens ou causar danos a esses bens, ainda que o valor seja só sentimental. Se você conhece alguma mulher que sofre essas violências não deixe de comunicar às autoridades'', afirmou.

Agosto Lilás

No mês de agosto, a Diretoria de Comunicação do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), em parceria com a Coordenadoria Estadual da Mulher, gravou depoimentos de vítimas de violência que recorreram ao Judiciário para conseguir proteção. O objetivo é mostrar para outras mulheres que elas podem ser socorridas pelo Poder Público e recomeçarem uma nova história.

Também neste mês, o presidente do TJAL, desembargador Tutmés Airan de Albuquerque, vem discutindo com o Estado de Alagoas a possibilidade do canal de denúncias 190 também oferecer atendimento especializado para mulheres vítimas de violência doméstica e populações vulneráveis.

O Judiciário alagoano ainda tem apoiado a campanha Sinal Vermelho, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parceria com a Associação Brasileira de Magistrados (AMB). Com a campanha, vítimas de violência doméstica podem recorrer a farmácias mostrando um ''X'' vermelho com batom na palma da mão e os atendentes das farmácias acionarão a polícia.
 

por Redação com Assessoria

Comentários comentar agora ❯